financas‎ > ‎

Devo buscar alternativas para minha reserva de R$ 150 mil na poupança antiga?

postado em 21 de mai de 2013 04:46 por Marco Aurelio Zoqui   [ 21 de mai de 2013 04:47 atualizado‎(s)‎ ]

21/05/13 - Mantenha investimento, já que ele é praticamente imbatível no meio de outras aplicações de renda fixa mais conservadoras.

Olá, hoje eu respondo a e-mail recebido em cbndinheiro@cbn.com.br.

Tenho duas dúvidas sobre meus investimentos: possuo uma reserva de R$150.000,00 na poupança antiga. A princípio uma parte seria para emergências e outra para aposentadoria. Devo buscar outras alternativas como Tesouro Direto ou ações para aplicações de longo prazo? O outro questionamento é relação a investimentos futuros que farei a partir desse mês. Declaro imposto de rendo no modelo completo e tenho retenção de aproximadamente R$25.000,00. Como sou comissionado, minha capacidade de investimento é variável, e eu estou em dúvida se faço PGBL com P de plano, em razão do imposto de renda ou se aplico em títulos do tesouro direto.

Meu comentário:

Você deve se considerar ai um privilegiado por ter conseguido manter ai um bom capital aplicado na poupança antiga. Ela rende ai um pouco mais de 0.5% ao mês, mas já livre de impostos e de taxas de administração, o que é praticamente imbatível no meio das aplicações de renda fixa mais conservadoras que existem hoje no pais. Procure manter então essa poupança antiga, inclusive que se tornou boa como uma aplicação de longo prazo. Depois pense em montar uma outra reserva para emergências, para você não precisar sacar desta poupança antiga que ficou boa demais. Fundos DI ou então CDBs seriam então boas alternativas para você fazer essa nova reserva de emergências, isso se você conseguir negociar bem com seu gerente, senão fique na poupança nova. Quanto a aplicação ai no PGBL, com P de plano, vale sim fazer a pesquisa. Mas tome cuidado com a taxa de administração que você vai encontrar. Se a taxa não for reduzida, eu diria ai algo inferior a 1% ao ano, de nada vai adiantar essa vantagem tributária. É sempre bom lembrar que no PGBL, com P de plano, você não deixa de pagar imposto de renda, você não é perdoado do pagamento do imposto de renda, você apenas consegue adiar o pagamento do imposto de renda por muitos anos, e vai ganhar então com os rendimentos desta aplicação. Na hora de sacar, você vai ter que pagar imposto de renda sobre o capital depositado e também sobre os rendimentos, isso no caso do PGBL, com P de plano. Finalmente, quanto ao tesouro direto, eu prefiro as LFTs, nesta temporada de aumentos ai na taxa SELIC.

Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN