financas‎ > ‎

Manter ou não o PGBL?

postado em 6 de mai de 2013 05:02 por Marco Aurelio Zoqui   [ 6 de mai de 2013 05:03 atualizado‎(s)‎ ]

06/05/13 - Pesquise outros fundos mais econômicos em seu sindicato ou órgãos de classe.

Olá,
o texto recebido de um ouvinte hoje é o seguinte: venho desde 2007 aplicando em um PGBL, com P de plano. 40% da parcela aplicada está em renda variável. Sei das taxas que incidem, e sempre procuro negocia-las através do meu gerente. A ideia é resgatar o dinheiro em 2031, quando eu tiver 65 anos. Atualmente aplico R$490,00 por mês. Mas estou preocupada: o ganho há uns três anos está muito abaixo do esperado. Os índices de rentabilidade, estão sempre perto de zero ou negativos. Esta aplicação me ajuda na época do imposto de renda por que não tenho dependentes. Também aplico o montante similar num outro fundo de pensão vinculado à empresa que trabalho, e a empresa coloca um valor igual limitado a um teto. Estou atualmente neste teto. Minha dúvida é se continuo com esse PGBL do banco ou se migro pra algum outro produto, que me dê um retorno esperado melhor na velhice.

Meu comentário:

Nesse PGBL, com P de plano, você paga menos imposto de renda na hora da declaração, mas você vai ter que pagar imposto na hora de sacar dessa aplicação. A vantagem então consiste no adiamento: ao invés de hoje você vai pagar imposto somente daqui à alguns anos. Você então vai poder usufruir dos rendimentos desta aplicação ao longo desse período de tempo. Mas nada adianta você fazer isso, se estiver perdendo na aplicação. Nos últimos três anos o seu PGBL, com P de plano, deve ter rendido muito pouco por dois motivos: primeiro porque as aplicações estão na média perdendo e segundo porque o banco pode estar lhe cobrando uma taxa de administração muito alta, talvez superior até 2% ao ano, o que vai corroer boa parte dos rendimentos pelo menos da renda fixa.

O que fazer então? Olhe, pesquise outros fundos mais econômicos. Veja no seu sindicato, também no seu órgão de classe: estou falando ai em OAB, CREA, CRA, CRM, CRO, CRC e muitos outros órgãos de classe. Provavelmente você vai encontrar taxas bem menores nesses planos coletivos que são oferecidos nessas instituições, e também que são administrados pelos grandes bancos e pelas grandes seguradoras do pais. Vale a pena fazer a pesquisa.

Quanto a estratégia de de aplicar uma parte em ações, ela em tese está correta: no longo prazo a gente sabe que as ações devem reder mais do que a renda fixa. Só que no Brasil, nós vivemos um ciclo de grande euforia no mercado de ações, ao longo desta última década, e agora nós estamos no ciclo ruim. Nós estamos ai no ciclo das vacas magras. Tem que ter paciência, e esperar por um novo ciclo de alta no mercado de ações.


Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN