financas

Receba diariamente os comentários de Mauro Halfeld para CBN em seu email

Dólar ainda tem mais espaço para subir

postado em 16 de ago de 2013 04:27 por Marco Aurelio Zoqui   [ 16 de ago de 2013 04:28 atualizado‎(s)‎ ]

16/08/13 - Longo processo de estímulo à economia americana feita pelo FED está terminando e, com isso, país deve atrair mais capital com alta dos juros.

Pra onde vai parar o dolar? Frente ao Real o Dolar já subiu 3,9% em junho, 3,4% em julho e agora em agosto 2,3% de alta acumulada. Só neste ano 14,7%. E isso então é muito maior do que rendeu outros investimentos financeiros. Mas olhando nos gráficos mais de longo prazo, o dolar parece que está barato, confira: A primeira vez que o dolar atingiu R$2,35 que é o nosso preço de hoje, foi em junho de 2001, 12 anos atras. De lá pra cá nós tivemos uma boa inflação em Reais, e o Dolar ainda está naquele mesmo precinho lá de 2001. No ano seguinte em 2002, nós tivemos uma crise na Argentina que contaminou o Brasil e também um grande stress no mercado brasileiro por conta das eleições presidenciais. Resultado, o dolar chegou a quase R$4,00 lá em 2002. De lá pra cá o Dolar desvalorizou-se bastante, chegou ao valor mínimo de R$ 1,58 em 2008. Lá em 2008, aconteceu no segundo semestre aquela crise internacional a cotação chegou a R$2,50, e ele cedeu nos meses seguintes chegando ao mínino de R$1,55 em 2011. De lá pra cá a tendência de alta tem sido bastante nítida no gráfico, tem sido uma alta gradual mas consistente. Na minha opinião o dolar tem mais espaço pra subir frente ao Real. Mas não só frente ao Real, frente a quase todas as outras moedas no mundo. E motivo é muito simples: o longo processo de estímulo à economia americana feito pelo FED, o banco central americano, tá chegando ao final. O juros tendem a subir no mercado americano e isso atrai capital, aquele mesmo capital que saiu em busca de rendimentos maiores ao redor do mundo. Esse capital vai voltar para os Estados Unidos. A chamada então abundância de liquidez, que foi uma constante nos primeiros anos do século 21 parece que está com dias, ou melhor, com meses contados. Moral da estória: quem tem dívida em dólares deve se proteger. Quem quiser gastar em dólares no futuro tem que buscar uma proteção através de um fundo cambial ou então da compra antecipada de dólares de maneira oficial. Acertar qual vai ser a taxa de cambio na semana que vem é uma tarefa muito arriscada, mas eu não acho muito difícil arriscar que nos próximos dois anos o dolar vai dar mais um galope frente ao Real. Repito aquele palpite que eu dei aqui há algumas semanas: eu acredito que o dolar vai ganhar da renda fixa no Brasil nos próximos dois anos, mas sempre existe uma elevada dose de risco nesses tipos de previsões. Só pode apostar nisso quem estiver preparado para perdas. Enquanto isso não deixe de aproveitar o fim de semana com sua família.

Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN

Qual a melhor aplicação para me aposentar em 15 anos?

postado em 16 de ago de 2013 03:44 por Marco Aurelio Zoqui   [ 16 de ago de 2013 03:45 atualizado‎(s)‎ ]

15/08/13 - Procure um plano de previdência privada coletivo e que seja agressivo.

Olá, hoje eu respondo ao texto enviado pelo ouvinte à cbndinheiro@cbn.com.br.
Estou pensando em me aposentar daqui a uns 15 anos. Qual seria a melhor aplicação, levando-se em conta que posso aplicar em torno de R$ 5.000,00 todos os meses.
Meu comentário:
Você pode contratar uma gestão profissional, ou então você mesmo pode fazer a sua própria gestão dos investimentos. No primeiro caso, você precisaria procurar um bom plano de previdência privada numa agencia privada ou então numa seguradora. Seria bem interessante você dar uma conferida também no seu orgão de classe ou então em seu sindicato e descobrir algum plano de previdência administrado por um grande banco especialmente para profissionais de sua área. A vantagem desses planos coletivos é a taxa de administração bem menor. Eu sugiro optar por um plano do tipo agressivo, que tenha uma parte de seus investimentos em renda variável, porque nós estamos tratando ai de um investimento de longo prazo. Não conte com um bom desempenho da renda fixa no futuro. E se você tem interesse em administrar o seu próprio dinheiro vai encontrar muitas facilidades abrindo uma conta no Home Broken de seu banco, ou numa corretora de ações independente. Se você gostar dessa ideia eu sugiro dividir o capital em tres partes. Primeira, eu sugiro Tesouro Direto. Minha recomendação hoje são LFTs. Assim que a taxa SELIC parar de subir sugiro pensar em trocar para NTN, as Notas do Tesouro Nacional que são aquelas que garantem ganhos acima da inflação. Segunda parte, pelo menos cinco fundos imobiliários conservadores. Terceira parte, um então ou então dois ETFs, que são fundo de ações negociados em bolsa e que copiam um índice bem diversificado, são índices bem famosos, como por exemplo o IBOVESPA ou então o IBrX-50. Eu sugiro investir esses R$5000,00 cada mês num determinado produto. Você deve repetir apenas o mês da renda fixa. Assim você teria uma carteira com 50% em renda fixa, 25% em fundos imobiliários e 25% em ações.

Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN

Não se dê o luxo de ser superconservador

postado em 14 de ago de 2013 06:55 por Marco Aurelio Zoqui   [ 14 de ago de 2013 06:55 atualizado‎(s)‎ ]

14/08/13 - Arrisque em planos de previdência mais agressivos, com reduzidas taxas de administração e com bom desempenho.

Olá, hoje respondo a e-mail recebido em cbndinheiro@cbn.com.br.
Tenho 37 anos e R$77.000,00 num fundo de previdência privada aplicado com perfil super conservador. Estou vendo que até o final do ano a bolsa deve crescer. Será que é hora de de mudar o perfil de investimento para agressivo?
Meu comentário:
Eu acredito que pela sua idade você deve investir em renda variável. Já foi o tempo que aplicar em renda fixa era uma garantia de obter grandes ganhos com riscos baixos. A propósito, essa história só aconteceu no Brasil entre 1992 e 2010, quem viveu o Brasil de antes de 1992 ou quem resolver conferir a história das taxas de juros no Brasil vai perceber que investir em renda fixa nunca foi um grande negócio. Exceção apenas então neste período que começa nas vésperas do plano Real e vai até o início do atual governo. Parece um longo período para os mais jovens, mas não significa muita coisa na longa história econômica no Brasil. O que que interessa pra você é o futuro. Creio que o futuro das taxas de juros no Brasil vai ser de rendimentos reais, aqueles rendimentos acima da inflação, baixos. Isso acontece na maioria dos países. Jovens então como você, devem arriscar em plano de previdências mais agressivos. Você terá muito tempo pra se recuperar de uma eventual crise e também não pode se dar ao luxo de ser superconservador, perdendo a oportunidade de ver o seu capital render de verdade. Mas eu também acho que você não deve ter essa preocupação de acertar a tendencia da bolsa até o fim do ano como você disse no seu texto. O seu verdadeiro desafio está lá frente daqui a mais de 20 anos. Sua preocupação hoje deve ser na escolha de um fundo de previdência que tenha reduzidas taxas de administração e que ofereça um bom desempenho. Pelo menos, você pode conferir isso no desempenho dos últimos anos. Ou então, você pode também pensar em aplicar em ETFs, aqueles fundos de ações que copiam os fundos da bolsa, por exemplo o IBrX-50, ou IBOVESPA, esses fundos são bem transparentes e cobram taxas muito baixas. Se você optar em aplicar nesses fundos, você deve lembrar de fazer compras gradualmente, se possível todos os meses, da mesma maneira que você faria num plano de previdência.


Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN

Como se aposentar mais cedo?

postado em 14 de ago de 2013 03:24 por Marco Aurelio Zoqui   [ 14 de ago de 2013 03:25 atualizado‎(s)‎ ]

13/08/13 - Além de começar a investir o mais cedo possível, lute para conseguir o maior rendimento percentual possível.

Como conseguir se aposentar mas cedo? Ontem nós apresentamos em detalhes uma primeira dica, começar a poupar o mais cedo possível. O tempo, ele acabada sendo um fator chave na formula dos juros compostos, os famosos juros sobre juros. Tempo faz uma grande diferença, no valor total, no montante que o poupador vai ter ao final de alguns anos. A segunda e importante dica é lutar para que conseguir o maior rendimento percentual ao ano. Cada meio porcento ao ano, melhor ainda, cada um porcento ao ano acima da inflação vai fazer uma enorme diferença no final de 20 ou 30 anos de poupança. Hoje eu detalho um pouco esse novo desafio: conseguir um rendimento maior. Não adianta ficar sonhando com ganhos de 20% e 30% continuamente. Isso não é sustentável no longo prazo. Quem consegue ganhar muito num determinado ano certamente vai perder bastante também num momento ruim do mercado. Ele então vai enfrentar riscos altos e talvez esse investidor não esteja preparado para perder. O melhor a fazer é diversificar as aplicações, renda fixa, imóveis, ações, ou então negócios próprios. Esses quatro tipos de investimentos costumam fazer parte da carteira de investimentos de aplicadores mais sofisticados. Não dá pra querer ganhar em todos eles. A lógica é tentar ganhar mais numa aplicação de risco, como por exemplo, negócio próprio ou então num fundo de ações, mas sempre manter uma âncora na renda fixa. Os imóveis são bastante rentáveis no longo prazo, mas costumam não ter boa liquidez. Além disso, se você errar na compra de um imóvel, talvez esteja perdendo ai muitos anos de trabalho. Resumindo, o dois segredos pra poder se aposentar mais cedo são poupar desde cedo, desde jovem, e conseguir o maior rendimento possível dentro de um nível de risco que seja adequado para o seu bolso e principalmente pra sua saúde mental.

Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN

Vale a pena começar a juntar dinheiro bem cedo

postado em 13 de ago de 2013 03:23 por Marco Aurelio Zoqui   [ 13 de ago de 2013 03:24 atualizado‎(s)‎ ]

12/08/13 - Na fórmula dos juros compostos, tempo é um fator-chave.

Hoje eu vou comentar um exemplo hipotético de duas irmãs gêmeas, Adriana e Bruna. Adriana começou a trabalhar cedo e iniciou uma poupança de longo prazo quando tinha 20 anos. Investiu R$3.000.00 todos os anos obtendo um rendimento líquido de %5 ao ano acima da inflação, durante 30 anos. Com 50 anos de idade, Adriana parou de fazer depósitos e deixou o dinheiro rendendo com a mesma taxa de %5 ao ano até fazer 60 anos de idade. Por outro lado, a irmã Bruna, preferiu aproveitar a juventude e só começou a fazer a poupança de longo prazo quando tinha 30 anos. Acabou fazendo o mesmo esforço da irmã Adriana, ela depositou todos os anos os mesmos R$3.000,00 durante 30 anos obtendo o mesmo rendimento de 5% ao ano acima da inflação. Quando as duas irmãs gêmeas fizerem 60 anos qual será o capital de cada uma delas?
Resposta: Adriana, aquela que começou a poupar cedo e parou com 60 anos, deixando o dinheiro rendendo mais 10 anos vai ter R$324.000,00 além da correção da inflação. Já a Bruna que começou a poupar 10 anos depois, fez o mesmo esforço de juntar dinheiro durante 30 anos, acumulou bem menos, R$199.000,00. R$324.000,00 contra R$199.000,00. Perceba que o esforço feito pelas duas irmãs é exatamente o mesmo, 30 anos de poupança. Qual que é a diferença? A diferença é que Adriana começou aos 20 e parou aos 50 anos. A Bruna começou aos 30 e parou aos 60. As duas irmãs depositaram a mesma quantia, R$90.000,00. Mas aqueles dez anos finais lá, quando a Adriana deixou o capital rendendo, fizeram então uma grande diferença pro saldo final da Adriana. Ela tem R$324.000 no final enquanto que a Bruna R$199.000,00. Moral da história, vale a pena começar a juntar dinheiro bem cedo. Aquela fórmula dos juros compostos, tempo é um fator chave. Esse fator aumenta demais o montante final que vai ficar no bolso do poupador.

Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN

Mesmo com as melhoras, nada muda para os investidores brasileiros

postado em 9 de ago de 2013 04:28 por Marco Aurelio Zoqui   [ 9 de ago de 2013 04:28 atualizado‎(s)‎ ]

09/08/13 - Na renda fixa, o ideal é seguir com os papeis com juros pós-fixados, enquanto na variável, o melhor é comprar ações a conta gotas.

Finalmente tivemos um momento de alívio no mercado de capitais no Brasil. Motivo, aumento das importações da China, acima do que estava previsto. Resultado aqui no Brasil, IBOVESPA em alta, dolar em baixa. Nós tivemos também internamente um alívio nos índices de inflação, e isso deve reduzir a dose de aumento da taxa SELIC nos próximos meses. Esse otimismo não tem compromisso de longo prazo, mas faz muito bem no curto prazo. E o que é que muda para os investidores? Eu ainda acho que é cedo pra mudar a nossa posição, eu vou reve-la. Na renda fixa, melhor ficar com papéis com juros pós fixados, LFTs no tesouro direto, LCA - que é Letra de Crédito do Agronegócio, ou LCI - Letra de Crédito Imobiliário, isso nos melhores bancos do pais, e também fundos DI. Na renda variável, comprar ações ou então fundo de ações, em conta-gotas, devagarinho, gradualmente. Isso deve ser um bom negócio pra quem puder carregar esse produto no longo prazo. Fundos imobiliários, eles podem recuperar as perdas recentes e merecem então muita atenção daquele tipo de investidor que gosta de ter um rendimento, um aluguel quase, caindo na sua conta todos os meses. Fim de semana chegando, não deixe de aproveita-lo com sua família, e meus cumprimentos aos pais.


Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN

Tenho R$ 42 mil na conta corrente e não sei se aplicou ou pago parte de um financiamento

postado em 9 de ago de 2013 03:27 por Marco Aurelio Zoqui   [ 9 de ago de 2013 03:27 atualizado‎(s)‎ ]

08/08/13 - Mantenha uma postura mais conservadora, investindo em renda fixa até conseguir um emprego.

Olá, hoje eu respondo a um texto recebido em cbndinheiro@cbn.com.br.
Sou engenheiro, 32 anos, casado há um ano. Faz um mês que estou desempregado. Tenho R$45.000,00 em conta corrente e não sei se invisto esse dinheiro ou se pago parte de minha dívida imobiliária que está no valor de R$220.000,00 com prestações de R$2.240,00. Se eu pagasse R$40.000,00 da dívida, a prestação teria uma redução de R$390,00 e a prestação ficaria em R$1.850,00. Minha esposa trabalha e temos como honrar todas as nossas despesas por 8 meses caso eu não consiga me recolocar no mercado. O que você sugere?

Meu comentário:

Abater o saldo da dívida do financiamento imobiliário é algo muito saudável. Primeiro porque dificilmente você consegue em uma aplicação financeira um rendimento maior do que aquele valor dos juros que são cobrados no financiamento imobiliário. Depois porque ao amortizar a dívida você reduz o risco de ficar inadimplente lá no futuro. A sua intenção então é ótima. Mas eu acho que o momento não é o mais adequado para você. Sugiro manter a aplicação em renda-fixa ou até na poupança, onde já está, até que você consiga uma recolocação no mercado de trabalho. Só neste momento lá no futuro então é que seria adequado você abater a dívida do financiamento. Essa é uma postura mais conservadora mas eu penso que seja a mais adequada, já que você não pode nem pensar em correr o risco de ficar sem uma reserva financeira enquanto você estiver fora do mercado de trabalho. Eu desejo-lhe muito boa sorte nesta recolocação.

Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN

Devo arriscar minhas economias em um financiamento imobiliário?

postado em 7 de ago de 2013 06:22 por Marco Aurelio Zoqui   [ 7 de ago de 2013 06:23 atualizado‎(s)‎ ]

07/08/13 - Não é um bom negócio pagar juros do financiamento e imposto de renda do aluguel que pretende receber.

Olá, hoje eu respondo a e-mail recebido em cbndinheiro@cbn.com.br.
Depois de 3 anos trabalhando com meu próprio negócio, eu consegui acumular R$50.000,00 que são suficientes pra pagar entrada de meu primeiro imóvel aqui em Curitiba. Hoje eu pago aluguel em um sobrado confortável onde eu ainda consigo manter meu estúdio de trabalho. Economizo em deslocamentos e tenho a comodidade de pagar um valor relativamente baixo R$1.000,00 considerando o padrão do imóvel que eu estou alugando. Gostaria de saber se eu devo me arriscar em um financiamento imobiliário sacrificando o dinheiro que acumulei e assumindo uma nova dívida. Considero que eu não irei eu morar nesse novo imóvel, eu tentarei aluga-lo pois ainda tenho contrato de aluguel aqui e a estrutura aonde moro é suficiente para este momento que estou vivendo.
Meu comentário:

Eu imagino que não vai ser um negócio tão bom pagar juros sobre o financiamento imobiliário, imposto de renda sobre o aluguel que você vai receber e ainda ter que pagar aluguel na sua casa hoje. A melhor fase do mercado imobiliário já foi embora e eu não faria apostas tão otimistas. O que é que eu faria no seu lugar? Eu manteria o dinheiro aplicado em renda fixa até acumular o suficiente para dar entrada num imóvel com as mesmas características desse imóvel que você está morando hoje. Ai sim, você teria o conforto de não pagar aluguel e ainda estaria investindo no mercado de imóveis.


Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN

Vou viajar aos EUA e não sei se compro dólar agora ou em outubro

postado em 6 de ago de 2013 04:52 por Marco Aurelio Zoqui   [ 6 de ago de 2013 04:52 atualizado‎(s)‎ ]

06/08/13 - Turista com orçamento mais apertado e que não pode correr o risco de eventual disparada da moeda americana deve efetuar a compra o mais rápido possível.

Olá, hoje eu respondo ao e-mail de um ouvinte recebido em cbndinheiro@cbn.com.br.

Vou fazer uma viagem em outubro para os Estados Unidos. Quero levar minha família, pra conhecer os Estados Unidos e para fazer compras em Miami. Eu já comprei passagem e hotel há 6 meses, mas não comprei dolares para gastar na viagem. Pergunto, com essa alta constante do dolar, vale a pena comprar agora ou arriscar e deixar para comrpar em outubro, mais perto da viagem. Estou preocupado com esses aumentos constantes do câmbio. Eu pretendo comprar USD 7.000,00.

Meu comentário:

Eu entendo que há basicamente dois tipos de turistas:

Primeiro aquele que vai com muita frequência ao exterior, e que nesse caso o custo da viagem não tem o menor impacto na sua vida financeira. Pra esse tipo de turista, comprar dolares nas vésperas da viagem não chega a ser um problema, isso mesmo se o dolar continuar a subir com força frente ao Real.

Segundo caso: aquele turista, como o caso de nosso ouvinte de hoje que tem um orçamento mais apertado, e que não pode correr o risco de uma eventual disparada do dolar. Pra esse caso, o melhor é comprar o dolar turismo hoje, e garantir então a sua sonhada viagem. O lado ruim disso é que o dolar pode recuar nos proximos meses, e o nosso ouvinte vai lamentar por ter comprado um pouco mais caro. Como são muitas variaveis envolvidas nessa previsão de taxa de cambio, ninguém sabe exatamente o que é que vai acontecer. Uma outra boa tática é evitar comprar dolares no pior momento. É dividir então a compra em duas ou três etapas antes de você fazer a viagem, você faria então um preço médio. Resumindo: pra quem não quiser arriscar a viagem de jeito nenhum, melhor comprar dolares imediatamente, e pra quem prefere tentar fazer um negócio um pouco melhor, uma alternativa é comprar em duas ou três etapas. Meu palpite pessoal: o dolar vai continuar se valorizando gradualmente. Eu penso que nos proximos dois anos, a alta do dolar vai ser superior ao rendimento da renda fixa. Mas só pode fazer esse tipo de aposta, quem estiver preparado pra enfrentar uma certa dose de risco.


Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN

Vou iniciar uma aplicação para o meu filho, mas estou em dúvida entre previdência e Tesouro Direto

postado em 6 de ago de 2013 04:39 por Marco Aurelio Zoqui   [ 6 de ago de 2013 04:40 atualizado‎(s)‎ ]

05/08/13 - Invista em Letras Financeiras do Tesouro, Nota do Tesouro Nacional e fundos de ações.

Olá, hoje eu respondo ao texto de uma ouvinte:

Eu e meu marido queremos iniciar uma aplicação pro nosso filho que vai completar dois anos de idade em outubro. Seria melhor uma previdência ou um investimento no tesouro direto? Ouvimos você falar sobre a LFT, que teria baixo risco, mas mesmo assim ainda não sentimentos segurança pois não sabemos acompanhar essas altas e baixas do mercado de ações. A ideia é que nosso filho possa contar com esse investimento no futuro quando completar 18 anos.

Meu comentário:

LFT são Letras Financeiras do Tesouro, elas são vendidas todos os dias no site do tesouro direto a partir de R$30,00. Elas compoem a maior parte desses fundos DI que a gente encontra nas agencias bancárias. Elas são consideradas os papéis de menor risco dentro do mercado de renda fixa. O valor de mercado desses papéis oscila muito pouco. Não tem nada a ver com aquelas fortes oscilações do mercado de ações. Só que o rendimento de uma LFT hoje também não é muito grande. Ela tá pagando pouco mais que a poupança. Como você tá pensando numa boa aplicação para o seu pequeno filho, eu acho que você deveria pensar também em comprar um outro tipo de papel a venda lá no tesouro direto: Nota do Tesouro Nacional, paga inflação mais juros fixos, potencialmente vão render então mais que as LFTs, mas hoje esses papéis são mais arriscados. Se você me permitir, eu também não deixaria de aplicar um pouco em fundo de ações, exatamente nesses momentos em que o pessimismo toma conta do mercado de ações. Esses são os bons momentos pra comprar barato e vender somente lá no futuro quando a euforia retornar. O seu filho vai lhe agradecer bastante quando você comentar sobre essas diferentes tácticas que você usou para bem administrar o dinheiro dele.

Mauro Halfeld pra CBN


Todos os comentários de Mauro Halfeld estão arquivados no site www.cbn.com.br
Transcrição autorizada do podcast de Mauro Halfeld para CBN

1-10 of 102